E-mail
Assine já!
Notícias Unisite

23/02/2011 - 17:34:53

Pacientes submetidos a transplante de medula óssea tem dificuldades em retornar ao trabalho
Pesquisa defende que impactos na renda de pós-transplantados influencia índices de qualidade de vida.
ALTERA O
TAMANHO DA LETRA



O artigo “Relação entre renda, trabalho e qualidade de vida de pacientes submetidos ao transplante de medula óssea”, publicado na Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia em abril do ano passado, foi escrito devido à percepção, por parte dos autores, de que seriam “poucas as pesquisas nacionais acerca da influência do perfil socioeconômico sobre a qualidade de vida do paciente transplantado”.

Realizado com 62 pacientes adultos submetidos ao transplante de medula óssea (TMO) no Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, o estudo percebeu que havia um desnível entre a atividade econômica dos pacientes antes e depois do transplante. Enquanto que, no pré-TMO, apenas quatro pacientes não estavam inseridos no mercado de trabalho, depois do transplante “a maioria se encontrava afastada de suas ocupações anteriores”.

Na visão de Érika Oliveira-Cardoso e colegas, este é um aspecto importante que deve ser levado em conta, uma vez que o que se pede no pós-operatório muitas vezes são procedimentos custosos. Assim, “a pobreza constitui risco potencial para os agravos que podem suceder ao transplante, na medida que intensificam as dificuldades de seguir orientações rigorosas em termos de autocuidados, higiene, alimentação, moradia, transporte”, alertam.

A dificuldade de voltar ao mercado de trabalho na fase pós-TMO acontece porque, explicam os pesquisadores, as atividades dos pacientes passam a ser restritas por recomendações médicas, além das próprias limitações físicas as quais passam a estar submetidos, e que, muitas vezes, levam muito tempo para serem superadas. Os autores afirmam ainda que essa nova realidade acaba por depreciar “a qualidade de vida, o sentimento de ser competente em sua vida pessoal e o ajustamento psicológico, o que poderia elevar ainda mais os riscos inerentes ao TMO”.

Tendo em vista este fato, os autores sugerem que sejam implantadas “intervenções para apoiar de maneira mais efetiva os pacientes”, que, como evidenciado, podem passar por sérias dificuldades financeiras.

Agência Notisa (science journalism – jornalismo científico)